E hoje vou falar da segunda parte da trajetória da “Minha Vida Gamer” e posso dizer que é aqui começo me chamar de “gamer”. Afinal foi nessa época que ganhei meu primeiro console (somente meu!) e comecei a descobrir a alegria de alugar jogos, comprar revistas e muito mais. Mas antes de falar desse meu primeiro console, tenho que contar sobre sobre o console anterior que tive contato, mas que era do meu irmão. Então bora lá para da “Minha Vida Gamer – Parte 2

O COMEÇO + PARAGUAI                                                                             

Era mais ou menos 1987/1988 e a moda de produtos do Paraguai em feiras, lojas e muambeiros explodia em todos os lugares do Brasil. Afinal comprar coisas no Paraguai era muito mais barato que em qualquer lugar do Brasil com sua inflanção de 500% ao mês. E nisso sempre quando sobrava um dinheiro dos meus pais, eles compravam produtos do Paraguai de alguns vendedores que eram conhecidos deles e que sempre iam em casa. Foi em uma dessas visitas que um senhor (não me lembro o nome!) apareceu com uma sacola gigante e nessa sacola tinha o NES ou como costumamos chamar – Nintendinho. Era aniversário do meu irmão e meu pai não pensou duas vezes e acabou comprando… Segundos depois lá estava meu irmão jogando o Nintendinho. Bom, como o console era do meu irmão, joguei muito pouco ele. Sim! Eu e meu irmão tinhanhos uma relação um pouco afastada em questões de fazer as coisas juntos e dificilmente compartilhavamos uma jogatina juntos. Como disse, não jogava muito com ele, só em alguns ocasiões que ele me convidava (coisa boba né?!). Me lembro que um dos jogos que ele acabou me convidando para jogar foi o Cabal, um joguinho de tiro ao melhor estilo Wild Guns, que podia ser jogado de dois. Esse eu joguei bastante com ele e também o Tartarugas Ninjas 2 (a versão que era igual do Arcade!). Tinha uma locadora perto da minha casa, que não era bem uma locadora e sim uma loja de consertos de TV e outras coisas, com o nome de Eletrônica (que nome óbvio né!). Ali tinha vários jogos de NES para alugar e era justante nesse lugar que sempre alugavamos Tartarugas Ninjas. Meu irmão jogou alguns outros jogos como: Duck Hunt, Megaman, X-men e cia, mas foram bem poucos. Uma história engraçada é que ele descobriu um código para encher a energia no Tartarugas Ninjas 2… era só apertar o Select no controle que automaticamente a energia enchia, assim me lembro de ele ter fechado o jogo pela primeira vez e logo depois também fechamos juntos de dois jogadores. Bom, meu irmão com o tempo começou a se desinteressar por videogames (ele era 4 anos mais velho!) e com isso deixou o NES de lado e foi assim que comecei a jogar ele mais frequentemente, mas por algum motivo que não consigo me lembrar, ele acabou vendendo o NES e acabei ficando sem videogame. Mas pouco tempo depois acabei ganhando meu primeiro console que vou comentar logo abaixo. Sobre o NES?! Essa foi minha passagem com ele, algo curto e jogando poucas coisas. Uma pena! Foi um dos melhores consoles de todos os tempos e aproveitei muito pouco ele, mas mesmo assim valeu jogar alguns clássicos.

MEU PRIMEIRO VIDEOGAME! E SÓ MEU!                                                  

Quando éramos crianças a chegada dos aniversários era uma data mágica e na casa dos meus pais não era diferente. Meu pai sempre nos comprava um grande presente, apesar de ser aquelo garoto timído que não criava muita expectativa com isso, tanto que nem sabia o que escolher de aniversário em 1990. Por sinal nessa época passava um comercial da Tectoy muito legal, era de um garoto subindo uma torre com uma pistola, combatendo inimigos com ela e um helicóptero passando ao fundo com uma voz dizendo: MASTER SYSTEM!! Foi assim que minha mãe vendo esse comercial e sabendo que não sabia o que escolher de aniversário surgeriu:

”Ivo! Não te interessa aquele videogame que está aparecendo na TV? O Master System? De presente de aniversário?!”

Foi assim e por insistência dela que acabei escolhendo ganhar o Master System de aniversário. Me lembro que fomos em uma tarde na avenida Pedro Lessa (avenida conhecida perto de casa!) em uma loja de venda movéis para salas e quartos… isso mesmo! Uma loja de movéis! Loucuras que só existiam nos anos 80/90. E foi ali que meu pai acabou comprando o Master System, a pistola Light Phaser e um jogo chamado Futebol. Um kit completo para alegria de qualquer criança daquela época. Apesar de ele ter comprado o Master System com Futebol, esse foi o jogo que menos joguei, porque no final de contas na memória do Master System vinha dois jogos super legais: Safari Hunt que podiamos jogar com a pistola e o Hang On o famoso jogo de corrida de motos. O que mais adorava era o Safari Hunt, que usava a pistola e que ficava horas jogando, tanto que cheguei ao ponto de zerar a pontuação desse jogo. O Hang On achava muito difícil e o Futebol não me atraia bastante. Ah sim!! Ainda tinha um das coisas mais legais que acabei descobrindo… o jogo Labirinto (Snail Maze) na memória do Master System. Um jogo secreto que somente era acionado segurando os dois botões mais direcional para cima quando liguasse o console. Você controlava com um caracol e tinha que consegui atravessar o labirinto em um determinado tempo. Eram 12 fases e cheguei também a fechar esse jogo.. que na verdade ao terminar a fase 12 voltava para fase 1.

JOGOS DE MASTER SYSTEM QUE ALUGAVA                                            

Antes de falar dos jogos que tive, vou comentar dos jogos que alugava. No começo não tinha muitos jogos (eram caros!), então o jeito era alugar mesmo e não faltava opções de locadoras perto de casa. Aluguei muitos e muitos jogos! Entre os melhores estão: Jogos de Verão, Shinobi, Mônica no Castelo do Dragão, Rastan, Olympic Gold, Kenseiden, Super Cross, The Luck Time Caper, After Burner, Eswat, Wonder Boy, Black Belt, Castle Of Ilusion e Dynamite Dux.

”Entre os melhores estão: Jogos de Verão, Shinobi, Mônica no Castelo do Dragão, Rastan, Olympic Gold, Kenseiden, Super Cross, The Luck Time Caper, After Burner, Eswat, Wonder Boy, Black Belt, Castle Of Ilusion e Dynamite Dux.”

Alguns tenho uma lembrança especial:

Jogos de Verão – Era muito divertido jogar com os amigos. Jogava na minha casa e de outros amigos e me lembro que fiz 9,8 no Surf, que era o esporte que mais gostava.


Eswat – Adorava esse jogo! Mas a lembrança que ficou marcada foi que cheguei no último chefe e não matei ele por uma “barrinha de energia”. E tomei um lindo GAME OVER!
E até hoje não fechei esse jogo!


Black Belt – Um jogo que sempre achava legal mais que era impossível de fechar.


After Burner – Outro jogo que adorava, mas também achava impossível. Chegava até a parte dos mísseis teleguiados e depois GAME OVER.


Super Cross – Amava pular aquelas rampas e comprar peças para moto. Esse eu fechei com gosto!

Dynamite Dux – Um dos primeiros jogos que fechei no Master System. Amo esse jogo! Simples, simpático e desafiador na medida certa!

LEMBRANÇAS ESPECIAIS                                                                             

Tenho duas lembranças especiais com o Master System. Uma foi com o jogo Mônica no Castelo do Dragão, que foi alugado por minha mãe (sem eu saber!). Esse jogo era a febre da mulekadinha e ainda mais por ter a Turma da Mônica. Um dia simplesmente minha mãe chegou e disse:

”Ivo tenho uma surpresa para você! Aluguei um jogo!!”

Claro que pensei que minha mãe tinha alugado qualquer outro jogo, ela nem entendia muito bem de jogos, mas quando olhei e vi escrito “Mônica no Castelo do Dragão” eu surtei. Joguei muito esse game, mas ele me frustava por ser muito díficil e nunca ter conseguido fecha-lo.


A outra é sobre Shinobi, quem me conhece sabe que adoro ninjas até hoje e um jogo de ninja era tudo que mais queria quando criança. Pois bem, um dia um maluco apareceu na minha rua querendo trocar o jogo Shinobi dele pelo meu jogo Futebol. Acredite! Trocar o jogo Shinobi por aquele joguinho mais ou menos de Futebol era o negócio da China. Não pensei duas vezes e troquei na hora com o garoto. E repeti essas palavras para ele:

”Trocado não tem volta! Heinnn!”

Ele acenou a cabeça com um “sim” e trocou o jogo. E lá fui para casa jogar Shinobi até meu dedo cair.

Até um belo dia fui jogar meu Master System com Shinobi e não achava o cartucho em lugar nenhum. Olhei em todos os lugares que costumava deixar minha coisas e nada de achar… Até que perguntei para minha mãe:

” Mãe! Você viu meu jogo Shinobi?”

Ela respondeu:

” Sim Ivo! Esqueci de te dizer que um garoto veio aqui em casa pedir esse jogo! Ele tava chorando e falando que queria o jogo dele de volta! E devolvi! Ah sim! E ele devolveu o seu Futebol!”

Minha cara na hora foi no chão! Minha mãe sempre foi boazinha demais! Olhei para cara dela e comentei:

” Mãe! Ele tinha trocado comigo e TROCA É TROCA! Ele não podia pegar de volta!”

Bom, fiquei muito bravo com minha mãe (algumas horas sem falar com ela! hahahahaha XD Não consigo ficar sem falar com ela muito tempo!) e depois disso nunca mais joguei Shinobi no meu Master System.

 JOGOS QUE TINHA                                                                                        

Chegou a hora de falar dos jogos  tinha e obviamente são os que mais adorava,vou falar deles e algumas pequenas histórias que os envolvem. Tive um pequena quantidade de jogos de Master System e todos muito bem jogados e amados.

Alex Kidd MIracle World – O primeiro jogo que ganhei (depois do Futebol!). Foi um dos poucos jogos que joguei com meu irmão. Na verdade jogavamos eu, meu irmão e minha tia Vera, tanto que foi ela que depois comprou esse jogo para gente. E comprar Alex Kidd Miracle World naquela época era uma coisa F%$#$, porque era absurdamente caro (valor de uma moto hoje!), era um dos jogos mais completos e caros de Master System. Meu irmão adorava esse jogo e jogou muito para tentar fecha-lo, era o típico jogo que quando mais você passava as fases, mais você queria conhecer outras e termina-lo. Me lembro que a fase mais longe que meu irmão chegou (na casa da minha tinha quando levamos o Master System!) foi a que se passa dentro de uma monte (Monte Kave).  Depois disso, como disse antes, ele foi parando de jogar e a tarefa de detonar o jogo ficou comigo. E foi com muita insistência, jogatina que só fui fechar esse jogo anos depois. Me lembro fiquei muito tempo sem conseguir passar aquela fase do helicóptero (Terras Baixas de Bingoo) que tinha as bolinhas vermelhas, que se você batesse nelas já era. Mas um dia passei dela e segui até chegar no castelo do “JANKEN O GRANDE” e ali meu coração bateu mais forte. Foi faltando uma semana para vender meu Master System e comprar um SNES que acabei fechando Alex Kidd Miracle World. Foi uma grande alegria aquele dia, pena que meu irmão e tia já não se interessavam mais pelo jogo e não viram essa proeza minha.

Double Dragon – Outro jogo que alugamos na locadora e depois acabamos comprando. Foi outro jogo que joguei muito com meu irmão de dois jogadores. Era porrada do começo ao fim! Passavamos horas tentando fechar ele, mas nunca conseguiamos devido a última fase (do castelo!) na parte dos Abobos. Era engraçado que o jogo tinha continues infinitos, mas quando chegava na última fase, isso acabava. Então nunca conseguiamos passar dessa parte dos Abobos, que saiam da parede. Até que um dia, por uma simples brincadeira, resolvemos parar no começo desse último castelo e treinar um pouco. Falamos que iriamos passar 10 segundos fazendo cada um dos golpes… Voadoras, chutes, socos, giratórias, cotoveladas e só depois disso iamos seguir em frente. Mas o que não sabiamos era que se você fizesse 10 voadoras no começo do castelo, você habilitava o código de continues infinitos na última fase. Quando fizemos esse “treinamento” e chegamos na parte dos Abobos e vimos que mesmo morrendo os “continues” continuavam, ficamos de queixos caídos e felizes e nos perguntando como conseguimos aquilo. Até que nos tocamos do “treinamento”. Depos disso, fomos até o final e ainda enfretamos o “Metralha” que era o último chefe que usava uma metralhadora… E vencemos ele! Desse dia em dia diante sempre faziamos esse treinamento para habilitar os continues infinitos e fecharmos Double Dragon.

Alex Kidd The Lost Stars – Alex Kidd era sinônimo de qualidade? Afinal, Alex Kidd Miracle World era um dos melhores jogos de Master System, certo? Pois bem, não é bem assim! Os outros jogos do Alex Kidd são bem ruins e ainda mais o Alex Kidd The Lost Stars, que é o pior deles. Eu peguei esse jogo por causa de uma troca do meu cartucho Futebol (percebeu que esse era meu jogo de troca né?!), achando que seria um bom jogo. Bom, me lasquei, porque o jogo era ruim, mas vou ser sincero que naquela época não me importava muito com isso e joguei BASTANTE ele até fecha-lo. Mas que com o tempo deu para perceber que o jogo não chegava aos pés do Miracle World e isso era um fato.

Sonic the Hedgehog – Aqui está o meu jogo predileto de Master System (empatado com o Sonic 2!). Sonic era uma febre absurda nessa época com o Mega Drive e claro que eu não tinha ele. Até que um dia em um anúncio da loja Mesbla, aqueles jornalzinhos que entregavam no correio, tinha a foto do cartucho Sonic de Master System a venda e minha e mãe me mostrou. Eu nem sabia que tinha Sonic para Master System nessa época, quando vi que existia não pensei duas vezes em pedir para minha mãe comprar. Fomos até essa loja e ela me comprou esse jogo.

Sonic the Hedgehog 1 de Master System é fantástico e digo que prefiro até ele mais que o de Mega Drige. Ele só perde para o Mega, na minha opinião, porque possui o Super Sonic. Eu adoro exploração e que os Sonics de Master System proporcionam. quando você tenta achar todas as esmeraldas. Joguei muitas, mas MUITAS vezes esse jogo e sabia todos os segredos, descobri todas as esmeraldas e fechei ele umas 100 vezes. Todo dia quando vinha do colégio, almoçava e sentava no quarto da minha mãe e passava a tarde jogando até fecha-lo. Me lembro daquele final com o Sonic no microfone cantando até hoje.


Sonic the Hedgehog 2 – Sim! Anos depois lá estava euzinho olhando os jornalzinhos da Mesbla novamente, quando encontrei Sonic 2 para venda. E lá fui pedir para minha mãe o Sonic 2 de Master, ela me deu (amo minha mãe!). Se o primeiro era demais o segundo era espetacular. Com mais fases, mais segredos, mais gráficos… tudo nesse jogo ficou melhor que o primeiro. Nele também ocorre umas das cenas mais legais da minha vida, com meu falecido pai (você pode conferir aqui no texto ” Querida Revistas de Games“). Aquela fase da mina e que você pode andar no carinho, ficou marcada na minha mente até hoje. Comprei esse jogo em uma sexta-feira de noite, não pude jogar ele tanto quando cheguei em casa, porque era tarde já, mas no sábado de manhã acordei cedinho e lá estava me deliciando com esse jogo fantástico e com um sorriso de ponta-a-ponta no rosto (não me esqueço até hoje!).

Esse game também possui a busca pelas esmeraldas e suas localizações são mais difícies que do primeiro jogo, tanto que fiquei muito tempo sem descobrir a esmeralda da Gimmick Mountain Zone… E só descobri ela porque comprei a edição 29 da Ação Games (capa do Chakan!) e na parte S.O.S que os usuários mandavam cartas, alguém perguntou onde ela ficava e os editores responderam. Mas mesmo assim a foto onde indicava o local era bem ruim e demorei um pouco para descobrir onde ela ficava. Mas foi outro jogo que joguei muito e fechei com muito gosto. Sem dúvida uma das melhores alegrias que tive no Master System.

O FIM                                                                                                               

Joguei Master System praticamente quando o Mega Drive e Snes já dominavam totalmente o mercado e decretando o fim da era 8 bits. No final resolvi vender ele para um dos amigos do meu irmão, que prometeu pagar em 8x vezes e no final não pagou nem a metade e desapareceu. Algo que me fez sempre pensar que jamais deveria ter vendido esse console e ter guardado com todo carinho. Tudo bem que alguns anos atrás consegui comprar o Master System, nas minhas buscas do Mercado Livre e recuperei alguns jogos que tinha na época como Sonic 1 e Sonic 2. E assim matei a saudade, apesar que ainda tenho que jogar alguns outros jogos que fizeram minha alegria. Alias um dos grandes incentivadores a jogar Master System é o Cadu do site GamerCaduco que conheci anos atrás e fala sobre várias relíquias de Master System e inclusive Sonic. Outra pessoa incetivadora, que me faz lembrar e ter vontade de jogar Master System é meu amigo Igor e um dos poucos seres nesse planeta que ouviu falar do jogo Rastan e Dynamite Dux de Master System. Em breve vou postar algumas jogatinas minhas do Master System aqui no blog. Aguarde!!!

 

FIM DA SEGUNDA PARTE                                                                              

Bom essas foram as histórias do NES e Master System da minha da vida gamer. Em especial fica o registro do Master System… O meu primeiro console e que era incrível, cheio de jogos fantásticos e que fez a alegria de uma criança de 10 anos. Tanto que já fazem mais de 25 anos que tive ele e mesmo assim ainda está na minha lista de consoles prediletos. Uma pena a Tectoy não ter tido a ideia de lançar ele como está fazendo com o Mega Drive hoje. Mas quem sabe né?! Se for igual ao que tive e com jogos na memória, cartuchos igualzinhos iria pensar em comprar. Então finalizamos aqui! E fique no aguardo da terceira parte da “Minha Vida Gamer”. Obrigado por ler e um grande abraço do Ivo.

www.000webhost.com